Meus alunos refletindo - primeira série do ensino médio - 2012

Proposta de reflexão: Por meio da amizade é possível conhecer o ser humano?


"Nadar a mar aberto"


          "Amizade é uma palavra que pode descrever diferentes tipos de relação entre seres racionais ou não. O homem busca o conhecimento e a jornada pelo alcance de sua essência é algo incansável que pode levar a ganhos ou perdas. 
          Através da amizade nós construímos grande parte da nossa personalidade, pois acontece o compartilhamento de ideias. Essas ideias podem mudar o modo como vemos o mundo e através dessas ideias muitos definem quem somos.
          A verdade é que não podemos definir os outros por acreditar que conhecemos tudo, os seres humanos estão em constante mudança. O que eu conheço sobre o outro é a sua superfície. E quando achamos que estamos afogando percebemos que só sabemos boiar no mar alheio!"
Por Jessica Ellen do Espírito Santo Souza - set/2012



"Busca pela essência"


          "Amizade, como costumo dizer, é uma das situações mais complicados dentre aquelas com as quais precisamos lidar diariamente. Complicada por que se trata se pessoas e elas - com seus mais diversificados modos de pensar e viver - entram numa relação na qual, se não houver predisposição recíproca, isto é, se elas não estiverem cientes de suas responsabilidades mútuas, haverá conflito. 
          Por este motivo, por meio da amizade conhecemos o ser humano, pois estamos em contrate observação das qualidades e defeitos intrínsecos a ele por meio dessa relação. Na amizade deve haver um companheirismo diário e, quando caminhamos com alguém, estamos aptos a perceber as necessidades e reconhecer virtudes.
          O único modo de conhecer e entender o ser humano é buscando sua essência, o que só nos é permitido se houver experiência com aquilo que o envolve, com sua realidade e a amizade abre novos caminhos para a ocorrência do mesmo."
Por Lorena Gripp Rosas - set/2012

"A sabedoria do conhecer"


          "Amizade! Para o dicionário se trata apenas da relação afetiva entre alguns indivíduos, mas o que  origina essa relação? Como ela, de fato, ocorre? Como se descobre quem é amigo? Estas não são questões tão simples, portanto, não podem ser definidas ou apenas através de uma chamada 'relação afetiva'.
          Todos esses são conceitos que descobrimos ao longo do tempo, como a constante convivência. Só se conhece uma pessoa quando realmente convivemos com ela, quando conhecemos seus hábitos e costumes, conhecemos seus defeitos e sabemos exatamente onde afetá-la. Essa forte convivência que é capaz de transparecer todo o modo de viver de uma pessoa, é chamado amizade.
          Contudo, concluímos que, para conhecermos uma pessoa realmente, devemos conviver com ela, precisamos ter uma relação afetiva, mas baseada em amor, carinho, paciência, compreensão e fidelidade, ou seja, devemos nos tornar amigos desse alguém."
Por Agnes Gabriela Abreu de Lima  Lopes - 2012
          

"Convivência e conhecimento"


          "O ser humano não consegue viver sozinho, ele não foi feito para isso. Por meio da amizade e da convivência, por exemplo, é possível conhecer o que as pessoas querem te mostrar, mostrar quem elas são, mostrar um novo mundo sob o olhar de uma pessoa nova.
          Lidar com uma pessoa nova é, de uma certa forma, lidar consigo. A medida em que você conhece alguém, você vai descobrindo mais sobre si mesmo, às vezes, somente pelo fato de como você irá lidar com uma devida situação.
          A amizade nos permite conhecer o que as pessoas, às vezes, não demonstram. Quando damos uma olhada geral no mundo observamos que algumas pessoas são estranhas - e até as julgamos 'doidas' -, doces ou simpáticas. Mas quando conhecemos alguém de verdade, vemos que cada um tem uma personalidade distinta e aprendemos a aceitá-la. Sendo assim, concluo que, por meio da amizade, é possível conhecer o outro ser humano."
Por Thaís Ferraz Costa - set/2012

"A amizade faz o homem"

          "A amizade é uma forma bastante eficaz para conhecer bem ao ser humano. Na Bíblia existe uma passagem que diz: "as más conversações, corrompem os bons costumes". E existe também um ditado popular que expressa: "Diga-me com quem andas que eu te direi quem és".
          Sendo assim, é possível perceber que o meio faz o ser humano, que  muitas atitudes das pessoas são tomadas através da influência de boas ou más companhias.
          Por isso, é preciso saber com quem andamos. Conviver com pessoas, ficar mais próximo, permite conhecer bem as pessoas. Isso, a fim de que nossas atitudes tenham boas influências. Assim, continuaremos autênticos e construiremos amizades saudáveis."
Por Sarah Cerqueira Soares - set/2012 (adaptado)



Proposta de reflexão: 1) Cultura invisível no cotidiano/ 2) Cada indivíduo é a criação diária da cultura em que vive


"Acostumados"


          "Vivemos imersos em nossa cultura de uma tal maneira que não conseguimos pensar na existência de culturas diferentes. Estamos tão acostumados com nosso jeito de vestir, comer, falar, conviver, que raramente pensamos que tudo isso constitui nossa cultura. Sendo assim, vivemos sob uma cultura que se torna invisível.
          Quando nos deparamos com alguém diferente, seja de outra cidade, estado ou país, vemos que as diferenças culturais existem. Tais diferenças acabam até nos influenciando um pouco. As características culturais - nossas ou de outros locais - vão se misturando devagarinho em nossa vida desde que nascemos. Esse processo acontece de forma gradual e "transparente", não enxergamos essa assimilação, nós a experimentamos no dia a dia.
          O contato com culturas diferentes é uma forma de nos distanciarmos de nós mesmos e assim percebemos melhor como nós vivemos e como os outros vivem."
Por Giovana Rodrigues de Martin - out/2012 (adaptado)



"O orgulho cultural é necessário"


          "A cultura é um modo de vida que está presente em todo o planeta: dos lugares mais populosos aos mais desertos. Podemos achá-las fascinantes ou não, pois cada uma tem sua peculiaridade, a cultura é única em cada lugar. Pessoas viajam de norte a sul, de leste a oeste para conhecer novas culturas e entender como vivem as pessoas de um determinado local conseguem viver sob uma tal cultura e como são seus costumes, comidas e religião que torna essa cultura única.
          O problema que pode estar presente, não só entre os brasileiros, mas entre outros povos, é o de tendermos a gostar mais de tudo o que é dos outros. Achamos que o que temos não é bom  ou é insuficiente para nós. Podemos lembrar daquele velho ditado: 'a grama do vizinho é sempre mais verde'. Procuramos nos outros o que na maioria das vezes está em nós mesmos. As pessoas vão atrás de novas culturas, pois acham que a delas é ruim, que 'não está igual a cultura europeia', por exemplo, ou sentem vergonha da delas.
          É engraçado vermos pessoas falando mal de sua própria cultura, o que elas não percebem  é que a cultura delas está presente nos mínimos detalhes e nas ações realizadas no dia a dia. Quando um brasileiro vai à Europa, logo quer achar um restaurante que tenha o famoso 'arroz com feijão', como é de seu costume comer, também quer tomar banho todos os dias ou quer escutar Tom Jobim ou Caetano Veloso.
          Cultura, ao contrário do que muitos pensam, não é só a arte ou a música, mas é o jeito como vivemos, o que comemos, o que vestimos e as ações de rotina. Devemos ter orgulho de nossa cultura, pois somos o que somos, temos aprendizado e ensinamos através dela."
Por Michele Alves de Carvalho - out/2012 (adaptado)


"Homo Sapiens?!"


          "É o homem, de fato, produto do meio ou o meio, o produto do homem? As duas afirmativas são incorretas. Mais adequado seria dizer que o homem é produto do meio que ele criou; criador e criatura se confundem pelo fato de o homem ser consequência direta daquilo que construiu para si próprio, incluindo nesse modelo a cultura.
          A cultura na qual vivemos pode ser considerada invisível aos nossos olhos porque os valores sociológicos, étnicos e morais por ela pregados são tomados e interpretados por nós como verdade, sobretudo, como o tolerante. Uma determinada cultura, seus valores, costumes, tradições e dogmas, cria, querendo ou não, cada qual um universo que engloba sua sociedade e marginaliza o diferente.
          Há uma música que diz algo como: 'O homo se diz sapiens, mas o que mais lhe parece faltar é sapiência'. Uma frase que resume bem o pensamento de quem não parece muito sábio ser dominado por sua própria criação: 'somos filhos de nossa cultura e como bons filhos que somos, não devemos questionar a ordem de nossos pais'."
Por Vitória Regina Pereira Diniz Pinto - out/2012


"Compreendendo a cultura"


          "A cultura é o conjunto de aspectos que inclui o conhecimento, as crenças, a arte, a moral, os costumes, enfim, é o que dá identidade à vida social. Ela é a base para compreendermos a diversidade humana.
          A cultura contemporânea, ou seja, a cultura de massas, está relacionada ao desenvolvimento das mídias, do capitalismo e da globalização. Assim ela produz padrões de comportamento homogêneos e anula a diversidade, tornando-se invisível em nosso cotidiano. Outra grande influência para essa triste realidade é a globalização. Por meio do etnocentrismo, muitas vezes, julgamos uma cultura superior à outras e adquirimos os estigmas e costumes dessa sociedade, esquecendo-nos da nossa.
          Já que a cultura gera identidades, cada pessoa é a criação diária e constante da cultura em que vive. Sendo assim, cada indivíduo é composto por características da sua cultura, portanto, segue os comportamentos impostos pela sociedade.
          Afinal a cultura humana é diversificada e cada uma possui um fim em si mesma. A compreensão cultural deve ser estabelecida por meio da etnografia (imersão cultural) valorizando-se a criatividade e a liberdade, pois como diz Roque Laraia, 'a cultura é a lente através da qual enxergamos o mundo'."
Por Lindiwe Sophia Oliveira Fideles - nov/2012

Proposta de reflexão: Mesmo que não nos demos conta a filosofia faz parte de nossa vida pelas perguntas que fazemos, por ideologias que possuímos etc.. Fale sobre o assunto com o qual você mais se identificou durante esse ano.


"Ideologia"


          "O principal 'objetivo' de cada pessoas que quer marcar o mundo é implantar nele sua ideologia. O modo de pensar ou agir mostra diferentes tipos de ideologia. No nosso cotidiano, seguimos várias ideologias e muitas vezes nem percebemos, são pensamentos contra ou a favor de algo que define nossa opinião sobre certa ideologia.
          Ideologia é um conjunto de ideias que podem orientar a vida de permite elaborar uma compreensão da realidade ou dissimular essa realidade. Além disso, uma ideologia pode distorcer o que é algo.
          Identifico-me com o tema ideologia porque eu quero 'implantar' minha ideologia no mundo, meus pensamentos e opiniões. É algo que eu desejo fazer, como obter reconhecimento, principalmente pelo que eu faço ou vou fazer."
Por Mellina Munck - nov/2012



"O mito das  cavernas"

  1.      "Ao longo do ano aprendemos muitas coisas interessantes em Filosofia, mas o que realmente marcou foi o tal Mito das Cavernas que nos permite entender melhor a realidade. A caverna nos indica falta de conhecimento, onde muitas pessoas estão atualmente, pois acham que sabem tudo e fecham a mente para novos conhecimentos, ou seja, não querem vivenciar a vida fora da caverna, na luz, para se libertarem da ignorância e terem o conhecimento da verdade. É muito curioso como algumas pessoas simplesmente rejeitam o fato de estarem erradas ou de acrescentar algo novo aos seus conhecimentos. Elas preferem continuar em sua 'caverna' vendo as mesmas sombras e acreditando nas próprias ideias.

    1. Nós vivemos em sociedade e é por isso que devemos nos dar bem uns com os outros para poder compartilhar novos conhecimentos e aprendizados. O fato de as pessoas serem diferentes é que possibilita cada vez mais um maior aprendizado, pois se cada pessoa compreender um pouco de cada tema, ao juntar todas essas informações, poderemos chegar à ter um conhecimento mais pleno sobre algumas coisas.

    1. Quando saímos da caverna, começamos a conhecer a essência das coisas, então, o que antes era apenas superficial, passa a ser conhecido e isso é muito relevante, pois além de nos possibilitar novos conhecimentos, nos mostra uma nova maneira de ver a vida e nos ensina a ficar de mente aberta perante o mundo já que tudo o que aprendemos só irá acrescentar aos nossos conhecimentos, ou seja, não temos nada a perder ."
Por Bárbara Braga Machado - nov/2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário